Minha infância, minha vida, meus amores e dores; minhas idéias e meus ideais; idéias alheias, conversação entre sorrisos e lágrimas, tudo contado de uma maneira gostosa e com uma pitada de bom humor por uma pessoa FELIZ!

quinta-feira, 31 de março de 2011

Nosso caminho para o litoral.




Um trecho da BR 277 sempre fez parte da minha vida.
Esta rodovia nos levava todo ano, desde que eu era pequenina, nas férias de janeiro, ao litoral do Paraná, mas precisamente a Caiobá e Guaratuba.
Depois meu pai comprou um terreno num balneário novo e construiu nossa casa, mas continuamos usando a mesma pista. A descida sempre foi deliciosa, pois parávamos na serra para comer milho verde cozido, pamonha, tomar suco de cana, coco verde e comprar cachos de banana.
Passávamos as férias de verão quase toda por lá. O Natal era em Curitiba e depois descíamos.
A Serra do Mar aqui no Paraná é maior área contínua de Mata Atlântica ainda conservada no Brasil.


Depois que meu pai faleceu em 1983, minha mãe foi morar definitivamente em nossa casa de veraneio. Por isso, conhecemos cada pedacinho, cada curva, pontes e acompanhamos a evolução desta rodovia com remendos, depois a duplicação e sua privatização. 
Amamos a sua exuberante paisagem.


 pegadio carinho, não?

Deslizamentos são muito comuns em épocas de chuvas frequentes,  que obstruem a pista, mas a maior tragédia que tínhamos acompanhado até então, foi um grande incêndio em 2007. Parte da vegetação no domínio do Parque Estadual do Marumbi, na Serra do Mar paranaense, foi destruída.
Neste ano de 2011, foram as chuvas. A Lia postou no FB, (AQUI), fotos das enchentes e deslizamentos em Antonina, onde ela costuma estar sempre.
Mas outras cidades, como Morretes, Paranaguá e vários vilarejos foram atingidos, além do “pé” da serra, onde pontes foram levadas pelas enchentes e os deslizamentos cobriram a via.

 Vista parcial de Morretes fonte


 
Eu em Morretes 

Vista aérea do mesmo Restaurante março/2011 fonte


De onde moramos atualmente, bem divisa com Santa Catarina e  alto da Serra do Mar, mas distante da BR 277, é bem mais fácil fazermos o caminho até minha mãe, descendo a Serra D. Francisca/Joinville-SC e chegar via BR 101 a Garuva, depois Guaratuba, Caiobá e seguir até Pontal do Paraná, que é o município ao qual pertence o Balneário em que minha mãe mora.
Mas ficamos sem poder visitar minha mãe por um bom tempo. Todas as rodovias ficaram impedidas com as chuvas do início de Março.
Neste final de semana p.p. fomos visitá-la, pois a Serra D. Francisca já estava liberada há dias. Como o trânsito foi desviado todo por aqui, postergamos nossa ida porque a pista é de mão dupla e bem perigosa, ainda mais com o enorme tráfego de veículos de grande porte.
Serra D. Francisca - Joinville


Resolvemos voltar pela BR 277, via Curitiba, e foi aí que vimos de perto o que aconteceu por lá.
Assustou-nos muito, mesmo com as obras de recuperação bem adiantadas. Consegui tirar algumas fotos de dentro do carro e trouxe para vocês verem, principalmente os rasgos que a chuva fez na  vegetação nativa da serra. Por sorte que quase não há moradores por ser Área de Conservação Ambiental.


Fotos de outras fontes.

Ainda bem que, mesmo com a grande destruição, foram apenas quatro perdas humanas, porque houve evacuação antes da tragédia nos locais habitados em Morretes e Antonina. Na serra há poucos.
Mesmo sendo uma área de preservação é de impressionar a qualquer um, o que aconteceu.

Então ficamos pensando do que foi dito na época dos deslizamentos no Estado do Rio de Janeiro. Vocês lembram em quem foi que acabaram colocando a culpa? 
E aqui, quem será que foi o culpado?



Bjs no coração!


34 comentários:

✿ chica disse...

Puxa,que pena...Os estragos foram realemnte grandes.

E tua mãe como se sentiu "ilhada" por lá? Sozinha?

E claro, a culpa não será de ninguém....O lugar é lindo e as fotos bem feitas! beijos,chica

Turquezza disse...

Oi Nilce. Lindas fotos. Que pena que a gente maltrata a Natureza e ela maltrata a gente de volta, não é?
Conheço Santa Catarina e Rio Grande Sul, mas Paraná só Curitiba de passagem e à noite.
Tenho amigos que moram lá, preciso visitá-los, convites é que não faltam rsrs Falta tempo.
Beijos.

Sônia Cristina disse...

Oi Amiga,

apesar do estrago e da aflição que as pessoas passam (grande parte por nossa culpa) a natureza é deslumbrante, lindas suas fotos, me senti ai, parece que fiz esse trajeto.

Lindo amiga.

bj

Beth/Lilás disse...

Nilcinha!
É realmente chocante o que vem ocorrendo a cada ano nas regiões de serra do Brasil e acho que muito disso é a falta de fiscalização do poder público, fiscais de Ibama e outros órgãos ligados ao município e estado que deveriam, antes do verão chegar, fazer a devida fiscalização nestas montanhas, ver quem está ilegalmente morando e não deixar que poluam ou destruam os mananciais, floresta, a natureza em si porque ela vai cobrar tudo isso, sempre.
Acompanhamos de perto o problema daí do interior do Paraná, pois meu marido tem áreas de seu trabalho que foram afetada no porto de Paranaguá, Itajaí, S.Francisco do Sul e outras localidades, todas fortemente atingidas.
Que Deus os livre e à sua mãe dessa fúria da natureza, pois está de dá medo mesmo!
bjs cariocas

pensandoemfamilia disse...

Suas fotos são tão bonitas, é lamentável estes acontecimentos e ninguém vai se responsabilizar. Pagamos tantos impostos e tudo fica ao léu....


bjs

"(H²K) - Hamilton H. Kubo" disse...

Olá querida Nilce.
Já se sabe que o planeta é um ser vivo, enorme por sinal.
Por vezes, é preciso se mostrar vivo para que o ser que nele vive se toque afinal.
Estamos presenciando inúmeros acontecimentos, que vejo como manifestações "do ser" na qual vivemos.
O homem cria, mas vezes para se criar necessita tirar vida.
"O homem cria mas também destrói"...

Beijos meus querida amiga.

Dora Regina disse...

Fotos lindas, pena que a chuva fez um estrago enorme...
Lindo seu litoral...
Grande abraço!

KINHA disse...

Olá Nilce

Fiquei impressionada com suas imagens. Adoro a serra Dona Francisca ao menos era linda.
Quero fazer uma postagem sobre Morretes, mas tenho que ir até lá para fotografar. A família de meu genro tem uma casa histórica em que, conta a lenda, D pedro II pernoitou, em viagem ao Sul do Brasil. A casa fica ao lado do Hotel e aparece em duas de suas fotos. Os fundos da casa é fantástico, com portão e pequeno trapiche para o rio.
Também passava minhas férias em Matinhos, depois meu pai comprou um apartamento em Caiobá.

Venha participar da promoção COMENTAR PARA GANHAR...

Bjooooooooooo...........

http://amigadamoda.blogspot.com

Alexandre Mauj Imamura (lostinjapan.tk) disse...

Nilce, ótimo seu post! eu já rodei por estes caminhos algumas vezes, é lindo mesmo. eu gosto muito! os morros, a vegetação, as cidades calmas e tão bonitas, uma delícia.

e dá um aperto no coração de ver essas cidades debaixo d'água. são tão bonitas, tanta gente acaba perdendo tudo... não é fácil não.

o estrago foi mto grande né, mesmo com as obras, vai levar tempo p tudo voltar ao normal. mto triste isso... tomara q façam algum piscinão, sei lá, pra evitar q encha tdo de novo o ano q vem...

e vc tá super chique nessa foto ai de Morretes, na frente do bonito restaurante.

Carla Farinazzi disse...

A culpa é dos governantes corruptos, que sorrateiros, não realizam as obras necessárias que evitariam catástrofes como essas.
Porque, no Japão, as catástrofes são inevitáveis e naturais, tsunamis e terremotos.
Mas, no Brasil, as catástrofes são enchentes e desmoronamentos nos morros, coisas que seriam perfeitamente evitáveis, se as obras de contenção fossem feitas, se ninguém morasse nos morros, se tivéssemos as obras necessárias nas cidades para evitar as enchentes.
Imagine: o povo japonês habitando o território brasileiro; e o povo brasileiro habitando o território japonês.
Me desculpe, Nilce. Mas me dá uma raiva de pensar que, no Brasil, as catástrofes/tragédias são evitáveis. Mas as pessoas que deveriam se preocupar com isso, não estão. Estão preocupadas em encher os bolsos com dinheiro que salvaria vidas.
Isso é revoltante.

Beijos... belíssimo post.

Carla

Lúcia Soares disse...

Nilce, uma pena qeu coisas assim aconteçam entra ano,sai ano.
Mas os culpados são muitos, é uma série de erros, juntamente com a força da natureza.
Num país grande como esse, é difícil se ouvir que pessoas insistem em morar em áreas perigosa. O governo insiste em não ver que é melhor uma política efetiva, de criar novas áreas para moradia, do que arcar com despesas enormes depois de tragédias acontecidas.
A gente só espera, sempre, estar livre disso.
Beijo!

Camille disse...

Menina guerreira, quanto alagamento e destriçao, ne? Triste.
Em compensaçao, essas lembranças da infancia sao tudo de bom.
Te contei que morei no Parana? Gosto muitissimo de la e ali tenho alguns dos meus mais queridos Amigos com A maiusculo. ô terra fertil de gente boa.
Falando em gente boa, tem noticias do Alê?
Beijos para voce,
Cam

Iram M. disse...

LINDAS FOTOS!
penso as vezes que as chuvas vão acabar desmanchando toda essa beleza antes mesmo que eu a conheça pessoalmente.

A gente tem mania de se encantar com as belezas naturais daqui de fora, mas o nosso Brasil não fica atrás mesmo. Oh, lugar de terra linda, meu Deus!

E de amiga linda também

Astrid Annabelle disse...

As imagens estão lindas Nilce, apesar das enchentes de todos os anos. Aqui na região que moro os morros vivem escoregando com as enxurradas. É um área preservada da Mata Atlântica... e quando visualizamos esses buracos de barro nos morros e montanhas ficamos tristes. E vejo isso todos os anos, a mais de cinquenta anos!
Espero que tudo se recupere logo e que sua mãe esteja bem!
Vi as fotos da Lia...coisa feia de ver!
Um beijo grande e parabéns pelas fotos!
Astrid Annabelle

José Sousa disse...

Nilcinha, minha musa!
A antureza não perdoa e o homem é que é culpado, pois não faz caso onde constroi suas casas. Enfim, lamento as vidas perdidas! Não sabia deste caso, vc é que me informa, beleza!

Um bom fim de Semana
Beijão bem no seu coração.

Renata C., UMA EXPATRIADA (esposa, mae, mulher...) disse...

Nilce vim agradecer a visita e o fato de vc ter prestigiado o novo Blog!

Os fatos que a Natureza tem imposto ao Homem, pela propria Mao Humana... deixam muitas marcas... e muits perdas...

Bjs.

António Rosa disse...

Que viagem intensa, Nilce. Espero que a sua mãe esteja bem. Que pena esses acontecimentos. Beijo.

Élys disse...

A natureza entristecida, reage aos inúmeros erros do homem, para que o aprendizado se faça.
Um beijo

welze disse...

o estrago foi realmente grande, mas me perdoe por não entrar nesse assunto, é que você comentou sobre lugares que conheci a pouco tempo, pois na viagem que fizemos o bonitão e eu recentemente a Porto Alegre, conhecemos todo o litoral de lá até a Serra da Graciosa, e relembrei de todos esses lugares tão lindos que vc tão bem descreveu aqui. Adorei ler tudo, parece que estava lá novamente.As prais do sul, são lindas, pricipalmente as do Paraná. bom final de semana.

Glorinha L de Lion disse...

Nilcinha, primeiro quero te agradecer o link que colocou com o lançamento do meu livro. Obrigada amiga, obrigada mesmo! quanto a todas essas desgraças com a natureza, nem sei até que ponto tem a mão humana aí ou é simplesmente a natureza que de vez em quando se mostra com toda a sua força...não sei responder a essas questões. Claro que há casos e casos. Alguns são por culpa dos governantes, outras, em que não há culpados. Difícil lidar com a nossa mãe natureza, né? Beijos, e aí? Vem?

Andréa disse...

Nilce, apesar de tantas destruições as fotos são lindas,e as sua lembranças também.

Tenha um ótimo fim de semana!
Beijinhos,
Andréa..

Lis disse...

Oi NIlce
Que lugar lindo, fotos magníficas.
A Natureza nos presenteia com o melhor mas temos que preservar cuidar amar.
Infelismente nem sempre acontece.
Obrigada pela partilha de lindos momentos que voce viveeu por esses caminhos.
Adorei o post.

deixo abraços e que o fim de semana sea também belo.
abraços

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Ultimamente a natureza não tem dado tréguas a ninguém; parece querer mostrar-nos que está zangada demais com o mau uso que fazemos a tudo o que ela nos oferece. Chegou-me há dias um texto do António Brás Constante ( ele manda-me via e-mail) precisamente sobre isto; A Nilce já leu e comentou, pois publiquei-o ontem no Começar de Novo. Ele está coberto de razão. Sabe, um dia este escritor brasileiro viu um texto dele publicado num blog do qual eu fazia parte; comentou agradecendo muito e a partir daí começou a enviar-me os testos dele, alguns bem interessantes. Vamos tendo esperança de que o homem aprenda enquanto é tempo, pois as coisas não estão nada bem. Um beijinho, amiga e tenha um bom fim de semana
Emília

Lívia Azzi disse...

Muito bom o seu texto, querida Nilce!

Envolveu-nos com seu amor por esses belos caminhos da Serra do Mar aí no Paraná; contou-nos das alegrias vividas no litoral durante a infância com sua família e as mudanças que foram ocorrendo com o passar do tempo.

O mundo que vivemos é tão efêmero que é até impossível ver algum sentido em tudo isso, mesmo assim, não adianta buscar culpados, cada um tem que fazer sua parte para minimizar os impactos ambientais e os desastres naturais...

Espero que esteja tudo bem nessa nova estação...

Beijos e carinhos!!

♥ κєκєl ♥ disse...

Quase pertinho de mim hein Nilce?

A tragédia da enchentes é um fantasma aqui no sul. É só chover que o medo nos assola. Culpados? Hora de pensar em como fazer para não acontecer mais.

Beijos

diariodumapsi disse...

Ei Nilce!
É muito triste ver um lugar tão bonito destruído assim. Ainda bem que não houveram muitas mortes. A mãe natureza às vezes dá as suas cartas, principalmente quando provocada pela ação do homem.
Que bom que pode visitar sua mãezinha...
Bom fim de semana
Gd beijo

Adriana Alencar disse...

É uma pena que essas tragédias estraguem lugares tão maravilhosos, mas ainda bem que a sua mãe stá a salvo!
Beijo
Adri

ValériaC disse...

Nossa Nilce os estragos foram grandes mesmo... mas a natureza é divina e com certeza, muito do que foi destruido, voltará a florescer...
Minha querida ótimo fds pra ti...beijos
Valéria

July disse...

É verdadeiramente um pesar, um lugar tao lindo e ficar assim. É a resposta da natureza para algumas acoes do homem. Bjs e um ótimo final de semana.

Drika disse...

Oi Nilce... você viu de perto essa tragédia, então?! Tenho parentes que moram eu Antonina e eles comentaram que foi de assustar mesmo. Quem diria que lugares assim, tão lindos, se tornariam tão perigosos, né?!

Um abraço minha amiga... Deus abençoe sua neta!

Teresinha Ferreira disse...

Olá Nilce,
Que contraste de fotos.
A natureza está revoltada ultimamente. Cada coisa que está acontecendo que fico assustada.
Temos que repensar sobre o que estamos fazendo com o meio ambiente...URGENTE!!!
Bons fluidos!
Bjs mil

nacasadorau disse...

Querida Nilce!

Culpar quem agora? O mal está feito e as vítimas, neste caso, foram poucas, felizmente.

As imagens revelam bem o grau da tragédia e da devastação.
Obrigada por essa cobertura magnífica do acontecimento.
Lamento por sua mãe.

Beijo enorme para a minha amiga risonha e lindona.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Ver fotos é uma coisa, viver a
realidade é outra bem diferente.
Parece que sua mãe está bem, e isso
é o mais importante.Efetivamente a
Natureza anda muito zangada.
Lamento o acontecido.
Beijinho
Irene

Tabeteimasu - Denise disse...

Olá minha querida,

Desculpa o sumiço, mas nunca deixo de pensar em vc e vir pra cá quando sobra um tempinho livre!rs

Lindas paisagens, imaginei com a sua descrição cada canto, adorei! Uma pena que não deu para rever a sua mãe devido as estragos ocasionados como contou, acredito que seja o reflexo do homem agindo contra a natureza...

Tenha uma ótima semana, bjão!