Minha infância, minha vida, meus amores e dores; minhas idéias e meus ideais; idéias alheias, conversação entre sorrisos e lágrimas, tudo contado de uma maneira gostosa e com uma pitada de bom humor por uma pessoa FELIZ!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Simplesmente MARIA! Minha homenagem a uma pessoa que amei muito!

Ela casou muito cedo e não tinha muito conhecimento de vida.
Nunca frequentou, enquanto criança, nenhuma escola. Seu mundo se resumia a brincadeiras infantis e o carinho de seu pai. Perdeu a mãe precocemente e foi criada com os irmãos e empregados.
Mas, no seu tempo, moça casava cedo e passava a pertencer à família do marido. Foi aí que seu mundo infantil e fantasioso, de uma hora para outra se transformou numa realidade que ela nunca imaginou.
Como sua sogra a queria uma excelente dona de casa, ensinou-lhe da pior maneira possível. Ela sofreu muitas humilhações e com o tempo acostumou com o sofrimento.
Mas, aprendeu e muito bem.
Vieram os filhos...
Primeiro uma menina que muito mais tarde, seria seu alicerce. Depois dois meninos, outra menina e anos depois, o chamado “raspa de tacho”.
Cinco filhos, cinco crianças sob sua responsabilidade.
Seu nome?
MARIA, simplesmente Maria.

Minha mãe é a segunda da esquerda para a direita e minha avó é a última à direita

 O marido? Meu avô era um homem bom. Bem mais velho do que ela, muito trabalhador, sem instrução alguma como ela, mas era alcoólatra. Se alcoolismo é uma doença, essa família se tornou crônica.
Quando a filha mais velha, minha mãe, tinha 12 anos, frequentado apenas as duas primeiras séries da escola, e o mais novo ainda era de colo, eles resolveram buscar vida nova. A pé fizeram em um mês, o “caminho para o futuro”.
Na cidade que escolheram, não foi difícil os dois arrumarem emprego. Ele como jardineiro e ela como faxineira numa grande indústria. As responsabilidades pela casa eram enormes e foi necessário que sua primogênita largasse os tão sonhados estudos e também fosse trabalhar numa casa de família como babá.
Minha mãe casou com 17 anos e foi morar nas moradias da própria indústria.

Com o uniforme da indústria em que trabalhou como faxieira

Minha avó sempre foi muito adiante do seu tempo. Era analfabeta, mas tinha conhecimento de vida, adquiridos com muito sofrimento.
Perdeu seu caçula, com cinco anos de idade para a meningite. E a vida continuou. Eu era muito pequena e lembro muito bem do seu esforço para aprender a ler. Precisava. O mundo já exigia.
Lembro também dela, chegando a nossa casa pelo menos duas vezes por semana, quando minha mãe ficava sem empregada para lavar nossas roupas. Chegava logo após o almoço e antes das 3h da tarde já estava com tudo pronto. Saía às pressas, pois precisava bater o ponto exatamente às 4h.
Limpava os escritórios, e nos contava muitas histórias dos grandes projetos da empresa que ela devia ouvir por lá. Era um emprego bom e com o dinheiro ela podia cuidar das despesas da casa.

Minha mãe com minha avó na varanda da minha casa

O que meu avô ganhava? Ia tudo para o vício.
A vida parece ser cruel com algumas pessoas. Ela não pensava assim, porque nunca reclamou.
Seu pai que ainda morava na sua antiga cidade, teve um AVC e ficou paraplégico. Não havia quem o cuidasse. Sobrou para ela. Resultado: teve que abandonar o emprego para se dedicar inteiramente a ele.
Isso não era tudo. Sua segunda filha já havia sofrido uma grande desilusão no casamento feito aos 15 anos e voltara grávida para casa. E logo que a criança nasceu esta minha tia, seguiu o caminho do pai no vício.
Com toda a sua força de espírito forte, minha avó, começou a fazer salgadinhos, docinhos, sonhos e outras guloseimas e saía, com sol ou chuva, vender de porta em porta.
Seus filhos homens? O mais velho casou e morava no mesmo quintal.
Esqueci de lhes contar que ela já havia comprado um terreno enorme, construído sua casa, uma para seu filho mais velho e mais três para alugar.
Pois é, ela sabia “se virar”. Seu segundo filho homem, além da vida boêmia, era depressivo por um amor perdido e acabou cometendo o suicídio antes dos 30 anos.
Quando, depois de quatro anos de luta com seu pai, meu bisavô, e ela podia respirar um pouco, não se passou um ano para que tudo se repetisse, agora com meu avô.
E lá se foram mais quase quatro anos com uma pessoa dependente dela o tempo todo em casa. A história se repetiu.
Só que ao contrário do meu bisavô, meu avô era ainda bem novo, tinha 53 anos.
Parecia resignada, mas não com tudo.
Fui eu a levá-la ao cardiologista, por sentir dores no peito, onde descobrimos que tinha um problema grave no coração. Era nova ainda e isso não a abalou.
- Eu me cuido! – disse-me na época.
E soube se cuidar. Trabalhava e continuava a sua vida procurando sempre o crescimento. Criou seu neto e cuidou de minha tia com muito carinho.
Quando ficou viúva a vida não parou. Procurou muitos recursos de tratamento para a filha mais nova, e nada adiantava.
Por um tempo achamos que havia cansado.
Foi quando casou novamente. Ela sempre dizia que, estes foram os melhores anos de sua vida.
Minha tia casou também e teve outros filhos, que não chegavam a sobreviver por muito tempo após o parto, em consequência do vício.
Porém, como existem coisas inexplicáveis, uma de minhas primas que nasceu de 6 meses e 950g, sobreviveu.
Depois de ficar mais de 3 meses na UTI e pegar muitas infecções, saiu do hospital pesando menos de 2 kg e hoje, graças a Deus, é uma excelente dona de casa, trabalhadora, saudável, sem vícios e mãe de quatro filhos maravilhosos.

Seu bisneto mais novo

Minha avó ficou viúva novamente e foi morar com minha mãe. E lá enterrou seu segundo filho vítima de problemas cardíacos. Depois a filha mais nova, levada por um AVC fulminante, e seu neto, que criou como filho, que morreu num acidente.
Muito ativa e cheia de vida, “faceira”, muito vaidosa, caprichosa consigo mesma, tinha muito orgulho de sua saúde, de minha mãe, (única filha que lhe restou, que ela orgulhosa dizia que lhe “puxou”), dos netos, bisnetos e duas tetra netas.
Só reclamava das alergias, com as quais sofria muito. Cuidava sozinha de seu cantinho, sempre bem arrumado, de sua higiene pessoal e de sua alimentação.

Última foto que tiramos juntas

No último ano já estava "caduquinha" e ficou muito tristonha e deprimida por não se lembrar mais de muitas coisas. Seu coração não suportou e ela nos deixou no dia 26 de abril do ano passado, com mais de 87 velinhas muito bem sopradas, muitas saudades e ensinamentos de vida.

Hoje ela completaria 89 anos!

Ninguém mais do que ela, soube o que foi sobreviver e saber viver, conseguindo ser feliz independente de todas as atrocidades que o mundo pode oferecer ao ser humano.
Ainda em tempo, foi-me permitido dizer-lhe por muitas vezes, o quanto a amava!

Onde quer que a senhora esteja, obrigada por ter existido, ter feito parte da minha vida sendo minha avó e ter ajudado na minha formação como pessoa.

Bjs no coração!

44 comentários:

Jaque ઇ‍ઉ disse...

Amiga, que história hein...
Me emocionei com sua homenagem. Ela com certeza cumpriu seu papel aqui na Terra. Agora descansa em paz.

Linda a foto de vocês.
Saiba que sem dúvida, ela está olhando por você e sua família agora e está sorrindo.

Beijos amiga!

Meri Pellens disse...

Eu que costumo rir horrores aqui contigo, hoje me emocionei. Linda história da sua avó. Uma vida sofrida, mas de alguém que soube viver.
Beijos na alma!

Chica disse...

Que história de vida,heim??/Que mulher!!!Parabéns pela linda homenagem.Emocionante!beijos,chica

Isadora disse...

Nilce, uma história com muitas perdas, mas de muita luta e crença na vida. Pelo que você nos relatou sua avó foi uma guerreira, que nunca desanimou diante das adversidades ou impossibilidades colocadas pela vida.
Que ela ilumine o caminho de vocês, sempre!
Um beijo

Dama de Cinzas disse...

Linda história, linda homenagem... Eu queria ter experimentado a sensação de ter avó...

Beijocas

Françoise disse...

Ufa!!!!! Que história...... quantas vivências e exemplos, nem sei o que dizer. Só o que posso agora é refletir sobre o seu post.

Onde ela estiver, certamente está muito feliz com sua homenagem. Lindo texto.

ABraço.

Bombom disse...

Nilce, que bela homenagem a Maria, tua querida Avó!
Não é a Cultura que faz as pessoas serem melhores ou terem "bom coração". É junto das pessoas simples mas guerreiras como a tua Avó, que aprendemos as melhores lições de vida. E se a tua Mâe "puxou a ela", que direi eu de ti?!!
Obrigada por mais esta "partilha de vida", connosco. Bjs. Bombom

ValeriaC disse...

Nilce querida, que mulher de fibra sua avó...um exemplo...
Tenha uma semana linda amiga...plena de alegrias...beijinhos...
Valéria

Denise disse...

Uau, que história!!!
Ela ficaria emocionada em saber que foi homenageada por ti...
Certamente deixou um exemplo em vida, agora está descansando e protegendo vc e sua familia!
Bjinhos querida!

ONG ALERTA disse...

Sensacional, é a história de sua família, uma obra de arte...linda muita paz.
Beijo Lisette

Pepi disse...

Que emocionante a sua "história",Nilce
A sua vovó era uma grande guerreira...
Tenha uma ótima semana
Lambeijos e Ronrons
Pepi e Xixo

Manuela Freitas disse...

Olá querida Nilce,
Que vida e que vidas, muita coisa pode acontecer, mas é interessante como as mulheres podem fazer toda a diferença e de sexo fraco serem bem fortes, absolutamente umas guerreiras.
Beijinhos no teu coração,
Manú

Misturação - Ana Karla disse...

Nilce nem cheguei a ler essa história , mas tenho certeza que é bela, portanto voltarei pra ler cada linha dessa aqui.
Passei para agradecer o carinho se sempre.
Xeros

diariodumapsi disse...

Nilce que história linda!
Uma verdadeira lição de vida.
Sua história me lembrou minha família, com mulheres fortes e guerreiras. Todos os homens da minha família foram alcóolatras e morreram cedo. As mulheres sempre estiveram ali, firmes. Garantindo a sobreviência da linhagem.
Sua avó foi uma verdadeira guerreira!
Gd beijo

Kelly disse...

Nilce que linda homenagem!!!! Que privilégio ter uma vozinha assim, beijos

Ramonices disse...

É a vida é foda e nunca existe explicação para as coisas que acontecem nela, mas sempre existem pessoas que superam todos os problemas, como a sua avó, e que deixam um grande exemplo para todos nós, que por mais que existam problemas na vida, temos que superar todos...

Abraços Thiago Ramone.

Tati Pastorello disse...

Nilce querida, que linda homenagem a esta mulher que também teve uma vida de guerreira, né?
Linda história, lindo seu amor e gratidão por ela.
Um grande beijo.
Que hoje o céu esteja em festa!

Nika disse...

Que história linda Nilce!
Me emocionei, lembra um pouco a da minha mãe essa Maria guerreira que eu tenho o prazer e orgulho de chamar de mãe.
Que exemplo de pessoa e de determinação, um exemplo pra mim.
Bjs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Nilce... sempre a gente morre de rir aqui com vc. Mas hj vc tocou no coração da gente. Fui lendo o texto, imaginando, sentindo...
A sua homenagem foi linda. Sua avó era uma pessoa maravilhosa. Guerreira, forte. Uma vencedora, pois tudo na vida parecia ter conspirado contra ela mas ela soube ser forte e seguiu em frente.

Acho que vc tem muito da sua avó em vc. O lado batalhador, que não desanima mesmo qdo as coisas estão complicadas, batalhadora.

Um grande bjão pra vc e que sua avó esteja bem e feliz aonde ela estiver.
bom dia

rouxinol de Bernardim disse...

A História também se escreve com estas singelas ... estórias!

Parabéns!

Isa mar disse...

Bom dia Nilce, realmente uma história de garra, de trabalho e de superação
Parabéns a sua avó, por tudo que ela viveu, tenho certeza de que deixou muitos exemplos para todos, afinal vencer é possível, basta querer!
Beijos em seu coração!

Barbie Girl disse...

Estou arrepiada, emocionada e sem palavras. Como é bom conhecer história assim, de gente que sofreu, batalhou e continuou digna e amada por sua família. Com toda certeza ela cumpriu seu papel na história da vida e está no céu, descansando e cantando com os anjos!!
Parabéns Nilce por ter uma família assim e obrigada por dividir isso conosco.

beijos e beijos

Taia Assunção disse...

Que fortaleza Nilce, deve ser muito bom poder ter convivido com alguém tão especial. Beijocas!

Betty Gaeta disse...

Oi Nilce,
Adorei saber a história de sua família! Vc já pensou em escrever um livro contando tudo isto em detalhes? Daria um romance e tanto!
Bjkas e uma ótima terça-feira para vc.

http://gostodistonew.blogspot.com/

Bordados e Retalhos disse...

Que relato lindo! Uma linda história de vida. Sua avó foi uma pessoa muito forte e é daí que deve vir a sua força. Bjs querida e obrigada por partilhar conosco. Passa lá no meu blog hoje.Bjs

anita sereno disse...

oi oh meu anjo
desculpa
nossa estou emocionada
demais sua avo foi uma grande heroína
atravessou todas as barreiras da vida por
amor e venceu
querida jamais pensei que pudesses ler algo assim
sinto muito pelo que passastes e te deve ter custado muito
só te quero ver sorrir a minha Nilce que conhesso a menina linda sorridente que nos encanta com suas lindas historias mas as vezes o nosso pro-pio corpo a nossa mente não aguenta e temos que botar tudo para afora amiga tee adoro saio de lágrimas
beijos na alma

Bia disse...

Oi Nilce!

Linda história a da sua avó! Mulher guerreira e de fibra! Uma pena que pessoas assim se vão tão cedo!

Bjs

Jacky Simionato disse...

Ei flor, tudo bem?
Vim agradecer o carinho no meu aniversario.
Muito obrigada pelos votos de felicidade, viu?
E que linda homenagem vc fez!
Beejo grande pra vc":"

Grazyela Machado disse...

Olá fazendo uma visitinha em seu blog e amando!
Muito criativo e gostoso de ler!
Sentimento nostalgico é sempore bom, nos faz lembrar de onde viemos, linda homenagem!
Te seguindo já!
http://chistosaseironicas.blogspot.com
bjsssss

disse...

Olha sua veia de superação. Linda e emocionante história. Você conseguiu descrever aqui pura sensibilidade. Linda homenagem. Bjos no coração.

Little Place Of Girls disse...

oi, adorei tudo aqui.
Suas postagens, são ótimas, adorei ler.
Se poder da uma passadinha lá no meu blog:
http://kah-catarina.blogspot.com
vou adorar se você também seguir e comentar nossa postagens!

beijos, te encontro lá.

pensandoemfamilia disse...

Que maravilha. Gosto muito de ler as histórias familiares. São resiliências imemoráveis. Bela sua homenagem, cheia de sentimentos.
bjs

Heloísa disse...

Nilce,
Que história incrível.
Que exemplo de lutadora, de verdadeira guerreira.
pelo visto, foi nela que você se inspirou.
Parabéns.
Beijos.

Eliane disse...

Oi Nilce eu vim aqui ontem pra rir um pouco com vc sobre baratas e unhas que eu uso de todas as cores possíveis do azul ao vermelho to aqui. Mas achei sua Maria e comecei a ler e a chorar( tua historia é linda e cheia de vida) Ontem fez 2 meses que a minha avó guerreira foi embora. Então ja viu!! Voltei hoje Pra te dar um beijo e dizer que aondo ela esteja, esta olhando por vcs. Bom Dia menina!!!!!1

Misturação - Ana Karla disse...

Nilce que dureza!
Parabéns pela história magnífica.
Uma história de superação, habilidade de vida e voltas.
Parabéns pela sua avó e sua mãe também.
Xeros.

Cantinho She disse...

Nilcinha, minha querida, que história, que guerreira, já vi que as mulheres de sua família são mesmo guerreiras começando por vc... fiquei até sem palavras... algumas coisas me são bem familiares... enfim... o texto me emocionou bastante...beijo, beijo e SHEirinhos!
She

anita sereno disse...

na vida existes três metáforas ~

saber amar perdoar e lutar
e sua querida avo foi tudo isso
parabéns pelo lindo exemplo de mulher
parabéns para ti que a estas a homenagear com tanto carinho e amor
estas fotos estão maravilhosas que sua alma descanse em paz beijos na alma

Lúcia Soares disse...

Nilce, onde quer que sua avozinha esteja, ela é muito feliz, pode crer.
E ela é verdadeiramente uma guerreira.
Beijo!

Leci Irene disse...

Nilce, feliz de ti, feliz de mim pq tivemos e temosna nossa vida uma Maria assim! Nosso Brasil é feito por estas Marias, e que valor lhes é dado?????? A tua Maria está em um mundo que ela fez por merecer: cheio de encantos e alegrias!!!!!!

Fernanda Reali disse...

Nilce, bom dia! Fiquei impressionada com a história, quanto sofrimento ela passou e que fibra! Um beijo e obrigada por dividir conosco.

Tabeteimasu disse...

Que história de superação! Homenagem mais do que merecida. Tenho certeza que ela deve ter ficado contente lá no outro plano!

Acho que nossos pais e avós são muito mais fortes do que nós mesmos. As gerações passadas no geral sofreram muito e mesmo assim superaram as dificuldades. Ao contrário da juventude de hoje em dia que só reclama e não dá valor à família.

Bjo,
Carlos

Lilian disse...

Ola querida!

Passei aqui para lhe visitar e como sempre me emocionei com algumas postagens,principalmente esta que vc compartilhou com a gente sobre seus familiares...

Que família linda,agora sei de onde vem a sua coragem,e esse seu jeito tw cativante...Vem do imenso amor que recebeu de sua família...


Tava com muitas saudades de vc...Passei para deixar meu carinho!Otimo fim de semana!!!Bjs

Cris disse...

Nilce, amor de gente!
Como é bom ouvir histórias de superação..Ter uma avó assim não é para qualquer um não!!

Muito bom te conhecer minha querida!
Que família linda! Adorei vocês...e o Matheus também!! rsrs

bjs e fiquem com Deus!
Cris